quarta-feira, 29 de maio de 2013

Amizade talvez seja isso ...

Texto retirado do livro que minha amiga Ana Paula Santiago me emprestou, "Amizade talvez seja isso..." - José Fernandes de Oliveira.

Considero-me um dos teus melhores amigos, e até penso que a recíproca é verdadeira.


Mas não tenho o direito de exigir que confies cegamente em mim, não tenho o direito de saber tudo a teu respeito, não tenho o direito de roubar seu tempo, não tenho o direito de interferir em teus caminhos, não tenho o direito de chantagear-te com minha bondade, não tenho o direito de exigir que chores primeiro no meu ombro, que corras primeiro em minha direção, não tenho o direito de reclamar pelas verdades que não disseste, nem pelas mentiras que proferiste,  nem pelos segredos que me ocultaste.


Ser teu amigo não me dá o direito algum sobre a tua consciência. Antes, ser teu amigo implica apenas e tão somente querer o teu bem, porque te quero bem. E só. 


Chamar-te-ei a atenção para certos perigos, estarei ali quando errares, estarei ali quando acertares, estarei ansioso quando doer em ti alguma dor intensa, estarei inquieto quando souber que vais bem, estarei sorrindo de alegria quando souber que estás feliz. 

Para mim não quero nada. Nem mesmo o consolo de saber que sou ou não sou teu melhor amigo, ou que dizes ou não dizes, sentes ou não sentes que sou a melhor pessoa que já passou por tua vida. 

O que espero e desejo? 

O que espero e desejo é que nunca te canses de minha amizade, que nunca te aborreças de saber que alguém se preocupa contigo, que nunca digas: "Lá vem aquele chato de novo". 

O que espero e sonho é que, um dia se precisares de um par de ouvidos, procures, entre outros, também os meus; se um dia qualquer dor te machucar demais, tenhas a coragem, sem medo algum de me encontrar cansado, revoltado, magoado ou vazio, de chegar-te a mim e dizer que precisas de alguém como eu, que nada quer em troca senão a tua paz interior. 

O que realmente quero é que entendas que não te quero para mim, mas apenas e tão somente para ti, não quero exclusividade, mas com ternura fraterna e sincera, e que entendas que, se fosse preciso, daria minha vida por ti, e se ainda as circunstâncias o exigissem, sumiria de tua vida para que minha lembrança ou minha presença jamais te atrapalhassem de ser feliz.

Não. Eu não preciso de ti. Mas porque sou teu amigo, eu quero precisar. Posso viver sem ti, mas com tua amizade sei que cresceria muito mais.

Finalmente quero que saibas a maior das razões pelas quais tenho sido teu amigo de todas as horas: "Sem saberes, tu me elevastes muito alto, para bem perto de Deus, todas as vezes em que, tendo tu olhado em meus olhos e eu nos teus, descobri que de mim nada quereis senão que eu fosse uma presença amiga nas tuas alegrias e nas tuas lágrimas".

E foi no dia que descobri que me queres bem, mas que não te faço falta, nem te agarras em mim como tábua de salvação; foi naquele dia que senti a vitória de ser teu amigo. 

Tudo o que quis, e quero, é conquistar-te para devolver-te à tua própria tranqüilidade. 

De ti só desejo guardar uma lembrança: 
- As muitas e muitas vezes que vi o quanto tinhas Deus dentro de sua raiva contida e do teu coração generoso e empapado de lágrimas. Tu me ensinaste muito mais que pensas. É por isso que quando não tendo podido falar de Deus contigo, tenho falado de ti a Deus. E de alguma forma nunca deixei de estar presente!

Mas sabes o que mais me encanta em nossa amizade? 
- Penso que permaneceste livre apesar do tanto que já me ouviste, sei que jamais me escravizaste. Se tudo isso não for amizade, então não sou teu amigo. 
Se tudo isso for amizade da mais pura, então estamos quites. 

Cresceste em Deus do teu jeito, e eu cresci do meu.

Amizade talvez seja isso!






7 comentários:

  1. Oi Claudia,
    queria te parabenizar por esse maravilhoso texto, nos deixa emocionada, menina adorei a sua tpm, na reviravolta do quarto, metodologia boa essa, adorei os quadrinhos na parede, com pouca coisa e criatividade se faz milagres.
    ótimo feriado.
    Bjs.
    Silvia.

    ResponderExcluir
  2. Que texto lindo Cláudia! E a verdadeira amizade é isso: um puxar de orlehas com amor!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é repleto de lições. É daqueles que a gente leva pela vida, relê e aprende sempre e de novo. Adoro Pe. Zezinho, ele faz parte das lembranças mais antigas da minha vida. Minha vó materna é muito religiosa e sempre, ás 18:00, ´´e hora de Terço, de oração. Lembro que na casa dela a gente não via tv, só rádio. Depois do terço continua o programa que toca só músicas religiosas, a maioria de Pe. Zezinho e Roberto Carlos. Lembro de mim com 5, 6 anos cantando "Um Certo Galileu", "Há um barco esquecido na praia", "Utopia". Eu cresci neste universo familiar, religioso e amo muito isso. Quando aprendi a ler e escrever, tinha o maior prazer em me oferecer para ler a Bíblia para minha vó Darci, para escrever-lhe as cartas que ela queria mandar para minha tia que mora em Sampa. Isso era tão gostoso, tão emocionante. Eu cresci ouvindo Pe. Zezinho, carregando este amor profundo pela minha família "abeçoa, Senhor, as famílias, amém", e admirando esse Cristianismo simples, primitivo, sem firulas. Fui a shows dele no estádio da cidade com a família inteira. Pra mim, pe. Zezinho é como se fosse da família, é um tio sábio, com conselhos essenciais que eu sempre tento escutar. E quando esqueço, releio. E como sei que é bom, divido com quem merece. " Um bom amigo é uma seta que aponta o caminho, que aponta pra Deus". Beijo, amiga mais linda ainda por dentro.

    ResponderExcluir
  4. Liiindo fragmento do livro, disse tudo, amizade é isso, bj

    ResponderExcluir

Oi, obrigada por sua visita!