quarta-feira, 11 de abril de 2012

Uma mãe pode tudo?

Uma mãe  pode matar seu filho pra atingir seu companheiro?


Uma mãe pode matar seu filho pra seguir em frente numa promoção no trabalho?


Uma mãe  pode  matar seu filho em nome de sua liberdade?


 Uma mãe  pode  matar seu filho para salvar a sua própria vida ?


Uma mãe pode decidir se seu filho deve viver ou não ?


Poder pode, mas ela não deve.


Estou escrevendo isto porque sou contra o aborto, seja ele em caso de estupro, em caso de anencefalia, em caso de risco de vida da mãe e em nome da liberdade.


Não julgo e não condeno quem já tenha feito, eu respeito.


Conheço mulheres que já passaram por isso, que mesmo sabendo o que eu penso, desabafam comigo, por que eu respeito acima de tudo.


Imagino o quão doloroso deve ser pra algumas mulheres tomarem esta decisão (porque para muitas aborto é brincadeira, já fizeram dois, três, quatro e estão na fila pro quinto),  podem ter sido estrupadas, ou correm risco de vida e tem outro filho pra cuidar, ou o filho apesar de vivo não tem cérebro. Imagino depois a culpa que ela carrega por ter feito isso.


Mas eu gostaria de saber qual a diferença de um filho vivo dentro e  fora da barriga de uma mãe.


Filho não é nosso, nós não podemos decidir se ele vive ou morre somente porque está dentro de nossa barriga.


Ninguém é de ninguém.


Uma mulher pode decidir se opera o nariz, a orelha, a papada, se põe silicone, se diminui o seio, se faz ligaduras das trompas, histerectomia. Os órgãos são dela, ela decide até se os doa depois de morrer.


Mas o filho não, filho não é órgão,  filho é gente, é vida.




Acabei de ficar indignada porque vi na tv uma mulher dizer que : "A mulher pode fazer aborto sim. A mulher conseguiu a liberdade."  Oi ?????





5 comentários:

  1. Eu tenho 3 filhos, engravidei na adolescência, foi muito dificil e eu não abortaria porque a minha consciência não aprova. Acho que não tenho direito de tirar outra vida, ponto.
    Mas... minha opinião sobre a liberação do aborto em caso de anencefalia (ou outras doenças gravíssimas)já muda, e sim, acho que nesse caso a mãe tem todo direito de optar por levar a gestação até o fim ou não. Para a gente que tem filho saudável seria fácil criticar, mas a partir do momento que nos colocamos no lugar da pessoa, a coisa muda de figura.

    ResponderExcluir
  2. faco suas as minhas palavras...
    to indignada com os discursos dos ministros na votacao que ocorreu hj pela liberacao do aborto... estou assistindo tudo ao vivo... amanha sera o fatidico dia... Deus tenha misericordia de nos... se e aprovando a morte, o que podemos esperar desse pais????

    SOU CONTRA O ABORTO... em qualquer caso, em qualquer situacao...

    ResponderExcluir
  3. Oi querida, tambem sou contra o aborto em qualquer situação, em epoca de faculdade minha monografia teve o tema direito do nascituro estudei bastante a respeito e me convenci ainda mais que eles tem direito a vida independente do tempo que for, o direito é deles e nao nosso.
    beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Cláudia,
    Não vou acrescentar nada, só assinar embaixo.
    Destaco a reflexão que filho é filho não é uma parte do corpo da mulher. Filho é gente, e gente não se mata, esteja dentro da barriga ou fora dela.
    Sei que é tema polêmico, mas concordo em tudo com seu texto.
    Beijosssss

    ResponderExcluir
  5. Adoro o seu blog,sempre estou por aki vendo as novidades,já to te seguindo...bjus

    http://simony-fragoso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Oi, obrigada por sua visita!